Avaliação Neuropsicológica chega ao Centro Clinico

1024 1024 Santa Casa de Misericórdia de Pelotas

Pensando sempre em qualificar nossos serviços, agora já é possível fazer a avaliação neuropsicológica no Centro Clínico do hospital.

Para marcar uma consulta com  a Psicóloga Cristiane Beirsdorf, responsável da especialidade no Centro Clínico, você deve ligar para 3271-0284.

Fique sabendo um pouco mais sobre a avaliação aqui abaixo: 

Como ocorre a avaliação?

Acontece ao longo de 5 a 7 sessões no total. Em regra geral a avaliação neuropsicológica contempla as seguintes etapas:

Entrevista Inicial – Tem como objetivo principal, colher a história de vida atual e pregressa do individuo, história clínica e sintomas atuais. A ideia é obter informações que permitam contextualizar o desempenho do indivíduo nas suas atividades diárias. É importante obter o histórico familiar do paciente relacionado à queixa apresentada.

Aplicação de testes – os psicólogos dispõem de um conjunto de instrumentos para avaliar as funções cognitivas (como memória, atenção, raciocínio lógico, fluência verbal, velocidade do fluxo de pensamento, entre outras) que podem ir desde a observação clínica ao uso de testes neuropsicológicos, baterias de inteligência, escalas de rastreio e avaliação de sintomas cognitivos e comportamentais.

Devolução do laudo –  Até 10 dias após a última aplicação dos testes selecionados (a antecipação da entrega do laudo pode ser solicitada diretamente ao profissional e será avaliada a viabilidade pelo mesmo), gera-se um laudo da avaliação neuropsicológica. Essa consulta final destina-se a explicar à pessoa e à sua família o significado dos resultados da avaliação e a sua implicação no dia-a-dia. O objetivo não é comunicar um diagnóstico (essa é uma competência do médico responsável) mas sim descrever o perfil cognitivo e emocional da pessoa e fornecer-lhe estratégias para ultrapassar quaisquer limitações que possam existir. 

Algumas indicações da Avaliação Neuropsicológica:

Atualmente, avaliação neuropsicológica é a melhor forma de avaliar a cognição, é indicado em diferentes situações clínicas, em todas as faixas etárias. Alguns déficits que não são evidentes ao exame clínico, mas que comprometem o funcionamento diário do indivíduo, podem ser identificados no exame neuropsicológico.
Além de se constituir em instrumento importante de diagnóstico, a avaliação neuropsicológica é útil na avaliação de resposta à terapêuticas medicamentosas, psicossociais e cirúrgicas. A avaliação infantil funciona também como recurso para orientar profissionais e pais envolvidos na educação de crianças que apresentam padrões de funcionamento não normativo, uma vez que evidencia aspectos relacionados a aprendizagem. 

Geralmente a avaliação neuropsicológica é requisitada pelo médico, mas também pode ser solicitada pela escola ou por profissionais de saúde/educação envolvidos no atendimento

Através da avaliação neuropsicológica podemos contribuir na investigação e estabelecimento de um diagnóstico clínico e traçar o perfil cognitivo nos casos em que já exista um diagnóstico clínico. 

Alguma situações onde a avaliação neuropsicológica é indicada:

  • Avaliação e diagnóstico de Doença de Alzheimer;
  • Avaliação e diagnóstico diferencial das Demências;
  • Avaliação de déficit cognitivo associado à idade (Comprometimento Cognitivo Leve);
  • Avaliação de alterações cognitivas nos quadros de AVC, TCE, neuro-infecções e tumores cerebrais;
  • Distúrbios cognitivos associados ao uso e abuso de álcool e/ou outras drogas;
  • Alterações de cognição nos Transtornos de Humor (ex: Depressão) e nos Transtornos de Ansiedade (ex: Transtorno Obsessivo-Compulsivo);
  • Distúrbios cognitivos associados a doenças da tireóide;
  • TDAH (transtorno de déficit de atenção/hiperatividade);
  • Transtornos de Aprendizado e Leitura;
  • Discalculia;
  • Transtorno de Oposição Desafiador;
  • Atraso ou Deficiência Intelectual;
  • Altas Habilidades;

Orientações para o dia da avaliação:

  • A avaliação neuropsicológica não exige nenhuma preparação especial, apenas é necessário que a pessoa a ser avaliada ou o seu familiar consiga comunicar seu histórico clínico e pessoal e responder às perguntas do psicólogo.
  • Nas sessões de testagem é importante informar previamente ao profissional se houver qualquer intercorrência (como insônia na noite anterior, nervosismo associado a fatores externos, entre outros) que possa influenciar no padrão de resposta testado.
  • Trazer no primeiro atendimento: relatórios e encaminhamento médicos ou escolares, exames de imagem, medicações em uso.
  • É importante dormir bem na noite anterior e não estar em jejum ou com fome no momento da avaliação, pois estes fatores podem limitar a capacidade de pensamento.
  • Recomenda-se que leve óculos ou aparelho auditivo, caso faça uso desses instrumentos.
  • Finalmente, é aconselhável que a pessoa a ser avaliada se faça acompanhar na entrevista inicial de alguém com quem conviva frequentemente, pois o testemunho dela poderá ser importante.

Deixe uma resposta

O seu email não será publicado.